Ritmo Individual

  Ritmo Coletivo

    Ritmos da Cultura Popular

Este curso é voltado para professores e profissionais da educação. É construído a partir de vivências e dinâmicas em grupo que visam um objetivo geral claro: despertar nesses profissionais a importância do ritmo no processo de ensino e aprendizagem.


O conceito de ritmo é muito mais amplo do que o significado musical do ritmo. Inclui um senso de equilíbrio entre os ritmos do movimento físico, da mente, da aprendizagem, do corpo, do dia, das atividades e da energia.


A importância desse despertar torna-se urgente quando entendemos que o desenvolvimento do sentido rítmico de uma pessoa é parte fundamental de sua construção, no mesmo patamar de importância do desenvolvimento da linguagem falada ou da coordenação motora. São partes fundamentais da mesma pessoa.


Em algumas culturas tradicionais, como a cultura popular afro-brasileira-indígena, o ritmo é muito presentes e naturalizado no dia-a-dia das comunidades, permitindo um processo de ensino e aprendizado que respeita e incentiva o desenvolvimento desse sentido rítmico.


Assim, este curso pretende uma reflexão sistemática ao profissional da educação, reafirmando a importância do ritmo no processo de ensino e aprendizagem. Para isso apresenta uma ementa com três tópicos capazes de construir vivencialmente essa reflexão: 


Vivencias rítmicas corporais em grupo: vivências corporais capazes de levar à percepção do ritmo individual e coletivo. Brincadeiras rítmicas corporais para serem desenvolvidas com os alunos.


Introdução às técnicas percussivas: envolvimento com o instrumento musical de percussão, o tambor. Técnicas simples possíveis de ser repassadas aos alunos.


Imersão em uma manifestação da cultura popular afro-brasileira-indígena: a partir das vivências rítmicas e das técnicas percussivas, construir no coletivo o universo mítico, ritual, rítmico e simbólico da manifestação do maculelê. Essa construção envolve desde o mito de origem da manifestação, passa pelo aprender do toque de tambor, dos cantos, confecção da roupa característica e chega na “roda de maculelê”, momento em que a manifestação, com todos os seus elementos, ganha vida na práxis. Todas as etapas são didaticamente pautadas, para que o profissional possa reproduzir todo o processo junto de seus alunos. 


Encontros semanais com duração de três meses; módulo de uma semana contínua; ou módulos mensais. 

 

Módulo Formação de Professores