Ritmo Individual

  Ritmo Coletivo

    Ritmos da Cultura Popular

Ritmo é mais do que um fenômeno da natureza. É parte da construção de um ser humano. Todas as dimensões humanas precisam de ritmo para se desenvolver: a dimensão física, mental, energética, dos movimentos e aprendizagem. Um ser humano saudável é aquele que consegue ter e manter um senso de equilíbrio entre esses ritmos.
Dançar é expressar o ritmo no corpo. Cada corpo carrega em si a história de vida individual e a história de sua cultura. Expressar esse ritmo é dar possibilidade de afirmar o que interessa e mudar o que não serve mais. Um corpo que dança é um corpo que busca o equilíbrio.
As oficinas de danças e percussão populares afro-brasileiras se colocam como instrumento para a busca do equilíbrio. Acreditando na inteligência corporal, e na possibilidade real de nos inspirarmos ritmicamente em outros modelos de mundo, dançamos e tocamos simplesmente para nos mantermos íntegros e inteiros com nosso ser.
A cultura popular é uma cultura de resistência. Em um mundo sufocado por uma cultura hegemônica, que leva a uma padronização de pessoas, corpos, mentes e espíritos, a cultura popular aparece como alternativa para quem busca modelos diferentes de estar no mundo, carregando em si valores e morais de culturas tradicionais.

 

Aulas de danças populares afro-brasileiras


Sob o comando da professora Sarah Massignan, as aulas de dança populares afro-brasileiras buscam levar os corpos a experimentarem duas coisas: primeiro seu ritmo individual, e depois os ritmos da cultura popular.
Sarah é graduada em Naturologia pela Unisul, cursa teatro na UDESC, formada em Dançaterapia e Danças Circulares, professora da Cenarium escola de dança, professora e pesquisadora das danças populares brasileiras. Há muitos anos pesquisa os ritmos das culturas tradicionais, viajando pelo Brasil ou em contato com mestres genuínos de cada cultura que ela se envolve. Sua proposta é uma busca séria e respeitosa na fonte das culturas populares, mas entendendo que cada corpo assimila os movimentos a partir da história pessoal de cada um, dessa forma sua prioridade não é a folclorização, o movimento cristalizado, mas a releitura que cada corpo faz ao entrar em contato com outros modelos rítmicos.
As aulas acontecem com música ao vivo, buscando sempre a conversa entre os corpos e os tambores.


Aulas de percussão voltadas às danças populares afro-brasileiras


Da mesma forma que a dança, as aulas de percussão buscam dois movimentos: o ritmo individual de cada tocador e os ritmos da cultura popular. Expressar em música esses dois ritmos para depois unir essa expressão com os corpos que dançam é o objetivo.
As aulas são ministradas por André Farias, idealizador da Oficina do Ritmo, antropólogo de formação, educador por vocação e batuqueiro por missão. Acontecem uma hora antes das aulas de dança para que  o aluno  enriqueça seus estudos ao tocar para corpos dançarem. 

Módulo dança e cultura popular